Skip to main content

Quatro curiosidades sobre criptomoedas

As criptomoedas ganharam popularidade em 2017 com o aumento de preço da mais famosa delas, o Bitcoin. Desde então, as moedas digitais passaram a ser negociadas em grande escala em corretoras no mundo todo, mesmo sem a gestão de uma entidade central.

Contudo, são poucos que realmente conhecem o sobre as moedas criptográficas, e o envolvimento desse ativo em golpes na Internet acaba gerando dúvidas entre os leigos.

Conheça sete fatos que ajudarão você a esclarecer o conceito de criptomoedas e entender um pouco mais sobre essa tecnologia.

1) Existem milhares de moedas além do Bitcoin

O Bitcoin (conhecido pela sigla BTC) está longe de ser a única criptomoeda. Embora tenha sido a primeira, existem hoje mais de 1.600 moedas digitais similares listadas no Coin Market Cap. Elas são chamadas de altcoins. O número é maior ao considerar as novas moedas que não alcançaram volume suficiente para serem contabilizadas pelo portal, caso das brasileiras Blood Donation Coin, Niobio Cash e ZCore.

O valor mais alto e o maior volume de transações tornam o Bitcoin a principal moeda do mercado, servindo como referência para as criptos assim como o dólar é para o sistema financeiro tradicional. Corretoras online normalmente usam o Bitcoin como base para calcular o preço das outras moedas à venda. Isso significa que aumentos e quedas no preço do BTC impactam no valor de todas as altcoins

2) Ninguém sabe quem criou o Bitcoin

O artigo contendo as instruções para a criação do Bitcoin surgiu em uma lista de e-mail em outubro de 2008. O documento descrevia um sistema matemático que seria capaz de assegurar transações online entre dois usuários sem a necessidade de uma instituição intermediária.

Ele foi assinado pelo pseudônimo Satoshi Nakamoto, cuja verdadeira identidade permanece desconhecida. Não se sabe ao menos se o nome foi usado por apenas uma pessoa ou por um grupo de entusiastas. A única certeza é que a ideia da criptomoeda tem origem no conceito libertário e na cultura cyberpunk.

Em homenagem ao criador, a menor subunidade do Bitcoin se chama Satoshi: 1 Satoshi é equivalente a 0,00000001 bitcoin.

3) Altcoins evoluíram o código do Bitcoin

Bitcoin é a criptomoeda mais valorizada do mercado, mas certamente não é a que conta com mais vantagens. Desde o seu surgimento, outros desenvolvedores criaram moedas nas mesmas bases, mas com outras funcionalidades. Moedas como a Dash, por exemplo, introduziram as Masternodes, que são responsáveis por acelerar a aprovação das transferências e dar anonimato às transações.

4) Criptomoedas são uma espécie de recompensa

As criptomoedas são baseadas na blockchain, um sistema de verificação em rede que checa a validade das transações. Essa checagem requer cálculos matemáticos complexos realizados por computadores potentes e, muitas vezes, especializados. Ao realizar a tarefa, as máquinas recebem moedas como recompensa pelo trabalho. O número de moedas é dividido conforme o poder de processamento dos computadores, em uma quantidade que varia de moeda para moeda. Essa atividade é chamada de mineração.

A rede do Bitcoin surgiu em 2009, quando Nakamoto executou os cálculos iniciais de validação e recebeu as primeiras 50 moedas como recompensa. Desde então, porém, a recompensa diminuiu conforme previsto no código. No pico de preço da moeda, as moedas recebidas por Nakamoto passaram a valer US$ 895 mil.

 

Trader: Entenda o que faz um profissional da área

A denominação trader é utilizada no setor de comércio exterior, pois remete aos responsáveis por negociações de todo tipo. Não por acaso, já que a tradução ao pé da letra é ‘comerciante’. Já no mercado financeiro, define os negociantes que possuem diversas operações ao mesmo tempo, em ativos da renda variável (mais comuns).

Dessa forma, os traders podem chegar a executar centenas de ordens financeiras num mesmo dia no chamado day trade. O objetivo é lucrar com operações, em sua maioria, de curto prazo, e em posições que se beneficiem da volatilidade do mercado de ações, forex, fundos quantitativos, commodities, entre outros.

Seus papéis são de extrema importância nesse cenário. Isso porque são eles quem trazem liquidez e precificam os ativos do mercado.

 

Formação

Não é preciso ter uma formação específica. Você pode ser economista, médico, engenheiro, designer ou professor de filosofia e mesmo assim se tornar um ótimo profissinal. Contudo, conhecer os conceitos de economia e entender o que pode influenciar os preços dos ativos negociados em Bolsa são fundamentais para conseguir ter sucesso neste mercado. Por isso que, apesar dessa flexibilidade, o trader geralmente possui formação em diversos cursos de exatas ou então em administração e economia nas áreas de humanas.

 

Mercado

A partir de 2008, com a entrada dos robôs que arbitram nesse mercado, houve um aumento de liquidez. Isso permitiu ao trader operar com mais capital.

Como o trader ganha tanto na alta quanto na queda dos preços, pouco importa para ele se o mercado financeiro está subindo ou caindo. Se a Bolsa em queda por um lado prejudica investimentos de longo prazo, por outro ela traz muita volatilidade ao mercado, o que é bom para o trader, que consegue mais espaço para especulação.

O trader deve escolher em qual mercado irá atuar. Todos eles possuem características próprias e abrangem um determinado perfil de investidor. Dessa maneira, é preciso conhecer os detalhes para que se possa operar com êxito. As opções são inúmeras! Ações, criptomoedas, forex e mercado futuro.

ICO: conheça a modalidade de investimentos que está dominando o mercado

Nos últimos meses, surgiu uma tendência no mundo dos ativos virtuais chamado de ICO (Oferecimento Inicial de Moedas), que é a venda de tokens de determinada empresa, tokens que dão direito a lucros ou descontos em serviços, e é sobre isso que vamos falar.

Uma ICO é a oferta inicial de tokens (moedas digitais) ofertadas por uma empresa, geralmente para angariar fundos e financiar o desenvolvimento do projeto.
Muitas empresas, startups e corporações lançaram suas ICOs nos últimos meses. Só em 2017, o valor arrecado pelas ICOs ao redor do mundo foi de 2 bilhões de dólares.
Um dos grandes diferenciais das ICOs são a praticidade e falta de burocracia. Qualquer pessoa pode investir rapidamente, em menos de uma hora, e talvez até montar um portfólio de tokens digitais a longo prazo.

É recomendado investir em ICO?

Há riscos em investir em ICOs, assim como qualquer investimento. É importante fazer uma análise detalhada da proposta, pesquisar a reputação da empresa e de seus integrantes,e o principal, confiar na proposta da empresa que está oferecendo seus tokens.

As ICOs apresentam um grande potencial de retorno. Para aqueles que querem investir em mercados digitais, ficar só nas grandes moedas pode ser uma limitação.

Segundo o CEO Changpeng Zhao, é muito mais fácil capitalizar uma nova empresa através de uma ICO do que através dos meios tradicionais de levantar capital para uma startup.

Como investir numa ICO?

O passo a passo para investir em uma ICO é, basicamente:

* Fazer o cadastro em qualquer corretora de moedas digitais;
* Efetuar a compra de algum criptoativo;
* Criar sua conta no site do ICO, pegar o ID da Wallet de pagamento e efetuar a transferência.
Assim, logo que a transferência for creditada, seus tokens estarão disponíveis na plataforma.

Para quem se interessou, acesse agora o site da  Exchange e pegue a sua conta gratuita para começar a operar compra e venda de criptomoedas!