Skip to main content

Tipos de investidores e suas características

Ao decidir fazer investimentos, você deve conhecer muito bem as alternativas de aplicações e a sua atuação. Para tanto, é preciso conhecer os tipos de investidores e identificar qual deles corresponde aos seus interesses.

Ao reconhecer suas características e diferenças, será possível vislumbrar qual é o melhor caminho a seguir. Como resultado, os efeitos tendem a ser otimizados e a segurança também fica ampliada.

Independente do seu perfil, o fato é que conhecê-lo ajudará na conquista de resultados otimizados.

Conheça os tipos de investidores e entenda em qual grupo você se encaixa.

 

Características de cada perfil de investidor

Conservador: é aquele investidor que prioriza a preservação dos seus recursos acima de tudo. Não assume riscos que possam comprometer seu patrimônio, ainda que a rentabilidade seja abaixo da média. É o que menos tolera perdas e falta de liquidez.

Os extremamente conservadores preferem opções tradicionais, como investimentos na renda fixa pré-fixados ou com alta liquidez, como é o caso da poupança.

 Moderado: é o investidor que assume riscos um pouco maiores em busca de rentabilidade superior à média do mercado. Dá importância à segurança. Por isso, busca investir de forma equilibrada em diversas classes de ativos, como renda fixa, ações e fundos multimercados.

Investidores moderados toleram certo risco, como menor liquidez e perdas controladas, mas não abrem mão da preservação do seu patrimônio. Assim, os ativos de risco não ocupam uma grande porção da carteira de investimentos.

São pessoas com um pouco mais de conhecimento sobre o mercado. Elas também têm patrimônio suficiente para diversificar e objetivos de médio e longo prazo, além das metas de curto prazo. Podem destinar parte do patrimônio a ativos com maior volatilidade e menor liquidez.

Agressivo: é aquele investidor com elevado apetite ao risco, ou seja, aqueles dispostos a colocar o dinheiro em opções menos garantidas, mas que podem gerar a maior rentabilidade entre todos os casos.

O investidor agressivo tem um percentual maior da carteira em renda variável do que os moderados. Prioriza a rentabilidade do investimento.

São pessoas que, além de compreenderem o mercado financeiro, têm o desejo de multiplicar o patrimônio no longo prazo.

 

 

Trader: Entenda o que faz um profissional da área

A denominação trader é utilizada no setor de comércio exterior, pois remete aos responsáveis por negociações de todo tipo. Não por acaso, já que a tradução ao pé da letra é ‘comerciante’. Já no mercado financeiro, define os negociantes que possuem diversas operações ao mesmo tempo, em ativos da renda variável (mais comuns).

Dessa forma, os traders podem chegar a executar centenas de ordens financeiras num mesmo dia no chamado day trade. O objetivo é lucrar com operações, em sua maioria, de curto prazo, e em posições que se beneficiem da volatilidade do mercado de ações, forex, fundos quantitativos, commodities, entre outros.

Seus papéis são de extrema importância nesse cenário. Isso porque são eles quem trazem liquidez e precificam os ativos do mercado.

 

Formação

Não é preciso ter uma formação específica. Você pode ser economista, médico, engenheiro, designer ou professor de filosofia e mesmo assim se tornar um ótimo profissinal. Contudo, conhecer os conceitos de economia e entender o que pode influenciar os preços dos ativos negociados em Bolsa são fundamentais para conseguir ter sucesso neste mercado. Por isso que, apesar dessa flexibilidade, o trader geralmente possui formação em diversos cursos de exatas ou então em administração e economia nas áreas de humanas.

 

Mercado

A partir de 2008, com a entrada dos robôs que arbitram nesse mercado, houve um aumento de liquidez. Isso permitiu ao trader operar com mais capital.

Como o trader ganha tanto na alta quanto na queda dos preços, pouco importa para ele se o mercado financeiro está subindo ou caindo. Se a Bolsa em queda por um lado prejudica investimentos de longo prazo, por outro ela traz muita volatilidade ao mercado, o que é bom para o trader, que consegue mais espaço para especulação.

O trader deve escolher em qual mercado irá atuar. Todos eles possuem características próprias e abrangem um determinado perfil de investidor. Dessa maneira, é preciso conhecer os detalhes para que se possa operar com êxito. As opções são inúmeras! Ações, criptomoedas, forex e mercado futuro.

Qual é o melhor investimento para 2018?

Poupança, Tesouro Direto, Mercado de Ações e Bitcoin… Qual é o melhor investimento?        O leque de ofertas para o investidor é muito grande e muitos dos novos investidores não tiveram ainda suficiente experiência com o mercado financeiro para tomar decisões. Este é o cenário que mais se repete e pode ser um tanto confuso para você, caso você se enquadre no perfil acima citado. Recentemente, este cenário foi feito ainda mais complexo, pois foi incluída uma nova opção: O Bitcoin, que é a mais forte dentre as moedas virtuais.

Este artigo vai ajudar você a se localizar melhor neste emaranhado de possibilidades, entender um pouco o que é relevante na tomada de decisão sobre este assunto e sugerir o que eu considero ser o mais adequado no momento pela ótica de lucratividade. Veja no segundo e terceiro parágrafo algumas dicas

 

Porque parece bicho de 7 cabeças

O primeiro e mais importante fator a se observar quando se parte do ponto acima citado, é que fazer um investimento é algo extremamente individual, ou seja, você pode obter boas orientações sobre como identificar o melhor investimento, mas no final das contas, somente você é a pessoa capaz de chegar a uma conclusão que o atenderá adequadamente.

Isto é dessa forma pois quando se faz investimento há que se lidar com perguntas como: “Como eu me comportaria diante de uma perda eminente?”, “Se esta perda vier a acontecer, como isto me afeta financeiramente e emocionalmente?”, “De quem é a culpa? Seria de quem me indicou o investimento ou seria minha?”, “Ok, o lucro é alto, mas eu de fato compreendo o risco?”, “Até que ponto eu de fato compreendo que o risco existe?”, …

Cada pessoa terá uma resposta extremamente diferente para cada uma destas perguntas e para mais tantas outras extremamente importantes para a sua melhor decisão. Além disso, o modo como cada uma dessas “variáveis” lhe impacta é algo extremamente subjectivo, portanto muito pessoal.

O que colocar na balança

A orientação dos economistas é que você comece respondendo para si próprio qual é o objetivo do seu investimento.

Exemplos de objetivos são:

  • Acumular determinado valor para comprar um carro
  • Acumular determinado valor para pagar a faculdade do filho
  • Evitar perda gerada pela inflação
  • Guardar para a sua aposentadoria

A segunda coisa é o “horizonte de investimento”. Este termo técnico nada mais é do que o tempo total que se passará desde o início do investimento até o fim. Por exemplo, se você quer comprar um determinado carro daqui a dois anos, o “horizonte” deste investimento será de dois anos. Outro exemplo: Uma pessoa de 35 anos que quer poupar para aposentar-se aos 60. Neste caso, o horizonte do investimento é 25 anos.